25/11/2017

Não há equilíbrio

Quisera esse sonho...

Não posso
Não devo

Seu amor me faz provar
um individualismo
extremo

Não há equilíbrio
quando o sonhar só chega
às bordas;
excluindo o centro

Quero tudo...
Não isto ou aquilo


h.f.
25 nov./2017


24/11/2017

20/11/2017

Sequer ousaria

porque amo tanto,
tanto...

sequer ousaria dizer
quanto


h.f.
19 nov./2017


É da minha natureza

Não te contrario
por maldade
E sim fidelidade
consciente...

Entre amar-te
e amar-me, 
é da minha natureza
amar-me,
primeira e inexoravelmente


h.f.
20 nov./2017


Amor é chamado

As sereias lançam
o convite...
Me recuso a naufragar:
luto!
Com a certeza de que é
uma luta vã.
Amor é chamado...
Não se pode prever
sob quais águas
ele irá
me silenciar


h.f.
18 nov./2017


Não amamos

Se aceito seu amor
a possibilidade
de amar
é rio que não deságua
no mar

Se abstraio,
a saudade é o vazio
das urgências 
tomando corpo
e lugar

Não amamos...
Vivências de ausências...


h.f.
17 nov./2017


17/11/2017

Naufrágio

amar alguém
sem nome, rosto,
lugar

é despertencer
o tempo

nas ondas
do sentimento

sonho a naufragar


h.f.
17 nov./2017


02/11/2017

Profecia

Cumpriu sua jornada
abarcando o peso
e a dor
da escalada

Não quis saber
de mérito...

Feliz é estar sendo
longe
desse monte
empilhado de tédio


h.f.
2 nov./2017


30/10/2017

Deslize

A gente
não tem jeito...

Jeito
de se entender!

Um simples
passo
em falso

e já pomos
tudo
a perder


h.f.
30 out./2017


29/10/2017

Limitou-se

a verificar
se ainda seri
seu
o seu amor

Sim, era...
Nem por isso
alguma coisa 
mudou...


h.f.
29 out./2017


28/10/2017

Seria

sua pessoa se fosse a pessoa que povoa meu ser

Mas não era 
a minha pessoa...

Limitou-se a (des)dizer


h.f.
28 ou./2017


Você

não me ama...

Ama a ideia
d'eu lhe amar

É disso 
que trata
sua saudade

Não...
Isso não é amor


h.f.
28 out./2017


27/10/2017

Foi entrando

sem bater-me
à porta

Agora, 
Inês é morta...


de amor



h.f.
27 out./2017



Bom pra ti

É sexta-feira, amor...

"Bom pra ti!"

A mim,
daqui até dezembro,
todos os dias
"serão"
de segunda...


h.f.
27 out./2017


Ah, amor...

Perdoa-me
a recusa da flor

É primavera...

Mas o tempo
aqui
está fechado;

limitado
a uma caixa 
de quimeras 
e guardados

pedagógicos...


h.f.
27 out./2017


26/10/2017

Também tenho saudades...

Saudades do que não tive;
Sonho que não se transforma
em realidade...


h.f.
26 out./2017


Não seja egoísta...

Não sabe que estou
por um fio?

Manter certa 
distância
não significa
um final fechado
 maniqueísta

É apenas um mal 
temporário...

Não funciono 
quando só penso 
em (ter) você...


h.f.
26 out./2017


Percebe?

Nada há que ser dito...
Só recapitulamos o dantes
sentido.


h.f.
26 out./2017


Do que (não) quero

Não quero 
amor intocável

Materializável
só na extensão
do verso

Quero corpo
maleável
ao impresso

A romantização...
que vá pro brejo!


h.f.
26 out./2017


25/10/2017

Fogo não some

Não devíamos
nutrir
a fome
desse jogo

fogo
não some...

"consome"


h.f.
25 out./2017


Quando

Sinto quando me chama
E sinto muito pouco
saber resistir

Sinto.
E esse sentir é tudo.


(Ou... quase)


h.f.
24 out./2017


Nesse fim

Não espere de mim
o rubro da tempestade
nem o descubro 
da chuva
fina
nesse fim
de outubro

Não sou o que lhe
fascina,

sou o que encubro


h.f.
25 out./2017


03/10/2017

Se o amor não passa

Não deixei
de lhe amar
e sonhar
com a sua vinda

Se o amor
não passa,
mais enlaça ainda

(ainda que não...)


h.f.
3 out./2017


02/10/2017

É preciso ver

Esse mundo-cão exige
a perda progressiva da capacidade
à humanização

É preciso ver que, antes da mulher,
existe a pessoa;
da profissional inteligente,
alguém cuja alma
sente.


h.f.
2 out./2017


O que é pior

Maldade não fere a estampa...
Fere a alma.
Faz a pessoa desacreditar
do mundo, das pessoas,
e, o que é pior,
de si.


h.f.
2 out./2017


Não somos evoluídos...

Somos pobres canibais
à espreita de um vacilo...

E aqueles que não se encaixam...
Mais empobrecidos são...

É preciso saber jogar o jogo
sob pena de não morrer 
de fome
ou devorado ainda
vivo


h.f.
2 out./2017


01/10/2017

Preferência

Sempre gostei do introspectivo
perdido n'alguma gaveta

Do carente esquecido
n'alguma sarjeta

Do patinho feio que antes
de cisne amanheça


h.f.
29 set./2017


Você esnoba...

se esforça em fazer
a vez de nada importa
mas eu sei
e você sabe
quem lhe ganha
a altivez
e até lhe rouba as botas


h.f.
1 out./2017


Não há ex-amado

Amor idealizado
é uma droga...

Sem a pessoa
do amante
não pode haver
ex-amado

O sentir é obra
do instante,
fim de um quadro
inacabado


h.f.
1 out./2017


27/09/2017

Esqueço

Quando vens assim
com as mãos
cheias
de flores
esqueço por quais
aragens alheias fores


h.f.
27 set./2017


20/09/2017

Não cedo...

Nem mesmo quando
a saudade se torna terrivelmente
insuportável
fazendo-me o arremedo 
da (sua) presa

fácil...


h.f.
20 set./2017


19/09/2017

Rito

É no branco 
do papel

no tangível
restrito ao léu

onde arranco
o choro
o riso

o rito
inconfundível

de tirar-lhe o chapéu


h.f.
19 set./2017


18/09/2017

Se não era você,

por que saberias tanto 
de mim?

Desejarias ficar,
quando meu desejo
tem princípio
meio
e fim?

Se não era você,
por que me quererias
amar 
mesmo e ainda
assim?


h.f.
18 set./2017


Euforia

A palavra q'eu queria
não veio...

Nosso enleio não traz
conforto

É mar alheio ao cais,

ao porto

Euforia que só atrai

deporto


h.f.
18 set./2017


17/09/2017

Maldição

Eu podia ser mais
racional,
pouco sonhadora

Mas a natureza
sabe-se desigual
e me amaldiçoa

à beleza fugidia
do sentimental


h.f.
17 set./2017


14/09/2017

Isso não se faz

Dói reconhecer
que não era você...

Que a emoção novamente
me iludiu

E repetiu as cenas
de um amor literalmente
doentio

Isso não se faz...

Sou apenas a lembrança
de um doce
jamais

Querida... Nada mais.


h.f.
14 set./2017


12/09/2017

Por favor, me odeie

Tenho dito essas coisas,
tentando salvar o que resta
da minha dignidade,

Mas a verdade é que ando
com saudade

Por favor, me odeie...
Pois já não sei se consigo.


h.f.
12 set./2017


Enfadonho é o amor

Foi sonho 
ou 
pesadelo?

A depender
do modelo exposto
à vista?

Seja real
ou oposto à risca,

enfadonho é o amor
maniqueísta


h.f.
12 set./2017


A manhã chega cinza

como, aliás, vieram-me
a noite
e a madrugada

Mas já não é um cinza
melancólico...

É um lilás bucólico
de uma quase alvorada


h.f.
12 set./2017


09/09/2017

A louca

Foi como se tivesse
me sugado
sorvido da primeira 
à última gota

como se tivesse
me largado
após se servido
à maneira escrota

como se bandido
amor tivesse 
me premeditado
e insípido
me rotulado:

"a louca" 


h.f.
9 set./2017


04/09/2017

Como?

Como negar
a fome
a opressão
o terror?

Humanizar
o outro
lado 
da história
sem tomar
o partido
do opressor?


Penélope,
lá do Twitter.


Independência?

Semana
de zerar
pendências

pequenos
médios
e grandes
encargos
domésticos

pra aliviar
um feriado
na quinta
que se conta
como 
remédio

Independência?


h.f.
4 set./2017


01/09/2017

Já não era

Prometi
a mim mesma
e a todos os anjos
e santos
que não teríamos 
mais retorno

Mas passou
agosto
sequer lembro
a causa 
do alvoroço

E já não era 
sem tempo...


h.f.
1 set./2017


Apesar de tudo,

foi bom...

Já não trago
sentimento
mudo
ou 
fora de tom


h.f.
1 set./2017


Parece

Talvez até mais
que o próprio amor,
a ideia de amar é
tão forte, resistente
e duradoura
que parece indiferente
à tesoura.


Penélope,
lá do Twitter.


31/08/2017

31 de agosto:

talvez o membro
do mês que mais
se arraste

ah setembro...
não mais (me)
tardes


Penélope,
lá do Twitter.


30/08/2017

Sobreviverei

como na milésima
derradeira
vez

como na véspera
da primeira
viuvez


h.f.
30 ago./2017


Sei o que me tira a paz

Não sei o que
me dói mais:

se sua presença
ou ausência

Mas sei o que
me tira a paz:

é a consciência

de
tanto fez

como
tanto faz


h.f.
30 ago./2017


29/08/2017

A bem da verdade,

reúno os galhos
do que fui
sou
e ainda me cabe

tento sobreviver...

em meio 
às lembranças
da última tempestade


h.f.
29 ago./2017


Paradoxalmente,

entrego-me às águas
profundas do rio

com a mesma ligeireza
que inundas as margens

superfície demais
me afoga...

revoga a profundeza
do cio


h.f.
29 ago./2017


28/08/2017

Tal nem qual

Não mais me resignarei...
Aceitarei as tuas regras...

Não me terás, todavia,
tal nem qual
convenientemente
veneras

Senhora
da minha vontade,
sou mais que um conjunto
de chamados 
e vãs
esperas 

Sou também
ponto

final


h.f.
28 ago./2017


Garantia

Guardei as suas palavras
como forma de impedir os
mesmos erros

Mas aqui faz frio
e é só o começo:

de uma longa caminhada,

vida a esmo


h.f.
10 mar./2014


27/08/2017

Não, você não entende...

Será que algum dia
foi capaz de compreender?

Nunca desejou salvar-se?


Livrar-se da náufraga

entregue às nuvens do pensamento?

Da água turva que tece

rios, correntezas de lamento?

Talvez seu mundo 

seja um arco a contento...

Mas aqui, outro lado da fotografia, 
não há nenhum pote de mel
em que possa deleitar a sua íris:

a realidade é cinza

a espera é cinza
e eu estou cinza


h.f.

23 ago./2013



*Poema escrito enquanto ouvia James Blunt, "Goodbye my lover".


  

Resisto!

No amor,
não deve 
haver
escravidão

A par disto,

fontes 
invisíveis 
de prisão

pontes
transponíveis
que jamais
serão


h.f.
27 ago./2017


26/08/2017

A guerra é inevitável

Se não há
acordo,
a guerra é
inevitável

A paz é
um estado
tosco
e intolerável
entre nós


Penélope,
lá do Twitter.


Polígrafo

Num gesto impensado,
esvaziou-se dos sentimentos
como um pirata em alto-mar
render-se-ia uma garrafa
de Montilla

Nada ficou de lado...

A veracidade dos fatos 
não far-lhe-ia mais ou menos 
questionável 
estivesse envolvida
aos cabos
de um detector de mentiras


h.f.
26 ago./2017


25/08/2017

Ela não sabe amar

É chegada a hora... Não podia permanecer nesse estado interessante, como se só existisse o instante e todo resto desimportante. É chegada a hora... Não do desencontro ou despedida: de uma outra suspensão no tempo... Não é que ela negue o sentimento, jamais desejou tanta reciprocidade e entrega. Não é que negue a magnitude dos laços, amar e saber-se amada na plenitude de um abraço. Ela se nega a perder-se. Apaixonar-se perdida e cegamente a ponto de não saber-se. Sim... Ela não sabe amar. É chegada a hora...

h.f. | 25 ago./2017

À espera

O país agoniza...

O povo,
incrédulo,

à espera
de um salva_dor


Penélope,
lá do Twitter.


Ela só queria

arrancar-lhe o chapéu...

Bailar em seus cabelos
ao vento

Ser expressão de sentimento
em seus olhos-sabor

de mel


h.f.
25 ago./2017


24/08/2017

Ai de mim

Se não fores
a minha pessoa:

Ai de mim!

Pois que as flores
todas

são para ti.


Penélope,
lá do Twitter.


Ai de ti,

não saberes 
quão amorosa
e ardente
sou

quão porosa
que me 
desprendes
em pétalas
de tração
e odor

Ai de ti,
saberes tão pouco

de mim...


h.f.
24 ago./2017


23/08/2017

Por que me vens?

Se não és a minha pessoa,
por que me vens?

Tão abundante em nuvens,
fumaças e flores do bem?


h.f.
23 ago./2017

   

À moda de


Não lhe dedicaria
tamanho afeto
se Outro...

Sim...
Intuía ser a sua
pessoa;

Ainda que não...


Penélope,
lá do Twitter.


"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)