30/05/2017

Cântico V – Esse teu corpo

Arte: Nu feminino, por Sérgio Zett.

Esse teu corpo é um fardo.
É uma grande montanha abafando-te.
Não te deixando sentir o vento livre
Do Infinito.
Quebra o teu corpo em cavernas
Para dentro de ti rugir
A força livre do ar.
Destrói mais essa prisão de pedra.
Faze-te recepo.
Âmbito.
Espaço.
Amplia-te.
Sê o grande sopro
Que circula...


Cecilia Meireles
In: Cânticos, 1982.


26/05/2017

Como esquecer?

Não esqueci...
― sequer pressenti como!

Como esquecer
o que habita em mim
E, por tão entranhado,
acorda-me até em sonhos?


h.f.
26 maio./2017


16/05/2017

Desta vez

Não direi que desta vez
é pra valer...

 não tem mais volta!

Que a porta hoje fechada
é a mesma que se pode
abrir amanhã

Que o fim é só começo
de outra primavera
Mesmo que o amor não tenha
qualquer apreço à dor 
da espera

Não direi nada...
Ainda assim, tudo...


h.f.
16 maio./2017


15/05/2017

07/05/2017

Não consigo...

A necessidade de sentir
a sua presença
é maior que a consciência
da indiferença 
ou impossibilidade 

É maior que qualquer
desavença
a que chamam de saudade


h.f.
7 maio./2017

    

05/05/2017

Do que fica

O que fica é iminente
nem tempestade 
ou estio permanente
pode extinguir

O que fica é ser-aí...

tão fora
e tão dentro de mim


h.f.
5 maio./2017


04/05/2017

O que fica é assustador

Quando 
a tempestade
se dissipa,
já não somos
nem estamos
os mesmos

Mas o que fica
é tão assustador
tal a experiência
do amor 
que ao desejo
emancipa


h.f.
4 maio./2017

  

01/05/2017

Até a tempestade se dissipar

Tristes dias em que tudo
é vontade
E nenhuma possibilidade
de realização

A música acorda
O silêncio se instala
cortante
E nada mais parece
importar

É... é morrer de amor
até a tempestade se dissipar.


h.f.
1 maio./2017


É triste... (tão triste...)



It's sad (so sad)
It's a sad, sad situation
And it's getting more and more absurd
It's sad (so sad)
Why can't we talk it over?
Oh, it seems to me
Sorry seems to be the hardest word...



Sempre (também) por um fio

Ela
(a tempestade)
sempre vem...

Não nego a força
de sua chegada:
sinto, contemplo,
acaricio...

Não controlo,
porém, o tempo
da enxurrada

Sempre
(também) por um fio...


h.f.
1 maio./2017


"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)