31/08/2017

31 de agosto:

talvez o membro
do mês que mais
se arraste

ah setembro...
não mais (me)
tardes


Penélope,
lá do Twitter.


30/08/2017

Sobreviverei

como na milésima
derradeira
vez

como na véspera
da primeira
viuvez


h.f.
30 ago./2017


Sei o que me tira a paz

Não sei o que
me dói mais:

se sua presença
ou ausência

Mas sei o que
me tira a paz:

é a consciência

de
tanto fez

como
tanto faz


h.f.
30 ago./2017


29/08/2017

A bem da verdade,

reúno os galhos
do que fui
sou
e ainda me cabe

tento sobreviver...

em meio 
às lembranças
da última tempestade


h.f.
29 ago./2017


Paradoxalmente,

entrego-me às águas
profundas do rio

com a mesma ligeireza
que inundas as margens

superfície demais
me afoga...

revoga a profundeza
do cio


h.f.
29 ago./2017


28/08/2017

Tal nem qual

Não mais me resignarei...
Aceitarei as tuas regras...

Não me terás, todavia,
tal nem qual
convenientemente
veneras

Senhora
da minha vontade,
sou mais que um conjunto
de chamados 
e vãs
esperas 

Sou também
ponto

final


h.f.
28 ago./2017


Garantia

Guardei as suas palavras
como forma de impedir os
mesmos erros

Mas aqui faz frio
e é só o começo:

de uma longa caminhada,

vida a esmo


h.f.
10 mar./2014


27/08/2017

Não, você não entende...

Será que algum dia
foi capaz de compreender?

Nunca desejou salvar-se?


Livrar-se da náufraga

entregue às nuvens do pensamento?

Da água turva que tece

rios, correntezas de lamento?

Talvez seu mundo 

seja um arco a contento...

Mas aqui, outro lado da fotografia, 
não há nenhum pote de mel
em que possa deleitar a sua íris:

a realidade é cinza

a espera é cinza
e eu estou cinza


h.f.

23 ago./2013



*Poema escrito enquanto ouvia James Blunt, "Goodbye my lover".


  

Resisto!

No amor,
não deve 
haver
escravidão

A par disto,

fontes 
invisíveis 
de prisão

pontes
transponíveis
que jamais
serão


h.f.
27 ago./2017


26/08/2017

A guerra é inevitável

Se não há
acordo,
a guerra é
inevitável

A paz é
um estado
tosco
e intolerável
entre nós


Penélope,
lá do Twitter.


Polígrafo

Num gesto impensado,
esvaziou-se dos sentimentos
como um pirata em alto-mar
render-se-ia uma garrafa
de Montilla

Nada ficou de lado...

A veracidade dos fatos 
não far-lhe-ia mais ou menos 
questionável 
estivesse envolvida
aos cabos
de um detector de mentiras


h.f.
26 ago./2017


25/08/2017

Ela não sabe amar

É chegada a hora... Não podia permanecer nesse estado interessante, como se só existisse o instante e todo resto desimportante. É chegada a hora... Não do desencontro ou despedida: de uma outra suspensão no tempo... Não é que ela negue o sentimento, jamais desejou tanta reciprocidade e entrega. Não é que negue a magnitude dos laços, amar e saber-se amada na plenitude de um abraço. Ela se nega a perder-se. Apaixonar-se perdida e cegamente a ponto de não saber-se. Sim... Ela não sabe amar. É chegada a hora...

h.f. | 25 ago./2017

À espera

O país agoniza...

O povo,
incrédulo,

à espera
de um salva_dor


Penélope,
lá do Twitter.


Ela só queria

arrancar-lhe o chapéu...

Bailar em seus cabelos
ao vento

Ser expressão de sentimento
em seus olhos-sabor

de mel


h.f.
25 ago./2017


24/08/2017

Ai de mim

Se não fores
a minha pessoa:

Ai de mim!

Pois que as flores
todas

são para ti.


Penélope,
lá do Twitter.


Ai de ti,

não saberes 
quão amorosa
e ardente
sou

quão porosa
que me 
desprendes
em pétalas
de tração
e odor

Ai de ti,
saberes tão pouco

de mim...


h.f.
24 ago./2017


23/08/2017

Por que me vens?

Se não és a minha pessoa,
por que me vens?

Tão abundante em nuvens,
fumaças e flores do bem?


h.f.
23 ago./2017

   

À moda de


Não lhe dedicaria
tamanho afeto
se Outro...

Sim...
Intuía ser a sua
pessoa;

Ainda que não...


Penélope,
lá do Twitter.


22/08/2017

Moradia

Desejava uma metáfora
em que pudesse morar:

Se fez arco-íris
turvando a
chuva

Ora gaivota
velando

o mar


h.f.
22 ago./2017


Sutilezas enganam...

Se o devir é incerto
qualquer expressão 
de afeto 
faz explodir o verso

proezas da sensação


h.f.
22 ago./2017


21/08/2017

Birra

Do eclipse,
só soube a notícia

O ser_tão hoje fez
birra,

tempo fechado


Penélope,
lá do Twitter.


Quisera arder...

Morrer de amor na calma
do desassossego

Pois não é a você que ardejo
Entranho a alma do corpo
objeto de desejo

É o reflexo do meu desenredo;
― oceanos de onde a dor
arquejo


h.f.
21 ago./2017


20/08/2017

Sem fim

(...) mas eu tenho o direito de gostar sem que gostem de mim,
e também o de chorar, que não se negue a ninguém.

Maria José
(heterônimo de F. Pessoa),
em Carta ao Sr. António.


Era um amor
tão bonito...
tão lindamente
sentido...

Não deveria
ser permitido
amar assim

tão 
sem

fim


h.f.
20 ago./2017


19/08/2017

Puxadinho

Sonhava
um cantinho
de inutilidades
e alinhos
no quintal

Acabou
com um
puxadinho
multi-
funcional

Prioridades, às vezes, mudam...


Penélope,
lá do Twitter.


É de sua natureza

O poema
às vezes
vem
medíocre

É de sua
natureza
ser
medíocre

Ainda que
o poeta

com 
destreza
afeto

o verso
lapide

pouco
o redime


Penélope,
lá do Twitter.

18/08/2017

Não preciso

Um dia,
não preciso
quando,

escreverei
"Cartas
a Fernando"


Penélope,
lá do Twitter.


Na poesia,

como n'outra 
espécie escrita
 ficcional
ou científica,

há o tempo
das cheias 

das estiagens

Em todas
essas paragens,

hiatos 

me 
      
(des)fazem


h.f.
18 ago./2017


16/08/2017

Não convém

Não houve tempo
para um
reconhecimento

Não convém
contrariar
a (des)ordem
do vento


Penélope,
lá do Twitter.


Se ela voa

Não se escolhe
uma imagem (poética)
à toa

Acolhe a sua poesia
se ela voa


Penélope,
lá do Twitter.


De que é feita

Nem toda espera
se alcança...

Mas de que é feita
a quimera

sem esperança?


Penélope*,
13 ago./2017



*Voz heterônima de Hercília Fernandes, em sua nova página no Twitter.

Fiz-me

Rasquei fotografias

Devolvi presentes
― alguns pouco funcionais
outros, atraentes

Fiz-me anúncio de mulher

solteira 
feliz 

procura

na esteira da (im)própria 
cura


h.f.
15 ago./2017


15/08/2017

Quero uma solidão...

Um silêncio que me diga,
antes que a tarde contra-
diga,

por ser_tão 
arde
em nós


h.f.
15 ago./2017


10/08/2017

Só por hoje,

abraçaria esse
silêncio
que tanto bem 
mal me fez

resistiria

só mais uma 
outra nova 
velha

vez


h.f.
10 ago./2017


07/08/2017

Vão

Quando penso que você
existe

n'algum vão adormecido

do meu
ser

nada poderia ser_tão
triste

quão aquecido querer


h.f.
6 ago./2017

... and all I have to do is think of her". 


"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)